-->


Sistema Mediador
Solicitação de Registro de Instrumento Coletivo
Legislação
Leis, Atos, Decretos, Portarias, e Resoluções do MTE
Dúvidas Trabalhistas
Férias, Horas Extras, Salário, Outros...
FGTS: Movimentações via SMS
Folder e Formulário
ASSÉDIO SEXUAL
Cartilha
PISO SALARIAL
Piso Mínimo Regional do PR


Veja Mais Fotos


 Jornada de 40 HORAS
Imprimir PDF

Se aproximando de R$ 6, até onde vai o dólar?

nstabilidade política, queda da taxa de juros, duração incerta da pandemia do coronavírus e a situação fiscal do país pressionam uma desvalorização dramática do real.

Por Daniel Silveira e Raphael Martins, G1

 

Depois de bater um novo recorde na véspera, o dólar abriu em alta nesta quinta-feira (14), chegando muito próximo do marco de R$ 6, e valorização de mais de 47% apenas em 2020. O G1 consultou economistas para saber o rumo da moeda americana. E não há pergunta que deixe um economista mais desconfortável que essa.

Há algum consenso entre os especialistas dos motivos de um dólar tão alto. São quatro: instabilidade política dentro do país, queda da taxa básica de juros, incerteza sobre a duração da pandemia do novo coronavírus e a situação fiscal do país depois que a economia tomar ares de normalidade.

O único sinalizador positivo, por ora, é a lenta retomada da economia de países que parecem ter passado pelo pior da emergência sanitária da Covid-19. O maior exemplo é a China. O Brasil, por sua vez, não tem um cenário animador.

"Quando fazemos modelos econométricos, chegamos à conclusão de que o real está muito desvalorizado frente ao dólar, e poderia ir para uma faixa abaixo de R$ 5. Mas como vai acontecer em um ambiente como o que temos?", diz o economista Gustavo Loyola, ex-presidente do Banco Central e sócio da Tendências Consultoria.

"Com os gastos para a contenção da pandemia e queda da arrecadação, teremos um grande déficit fiscal e agravamento do endividamento", diz. "Quando a situação se resolver, resta uma grande dúvida da capacidade política de o governo se articular com o Congresso para medidas de controle de despesas."

Medições como a do Instituto Fiscal Independente (IFI) mostram que a dívida pública do país deve chegar a 84,9% do PIB só com as medidas de contenção contra a doença. O déficit previsto pelo secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, passa de R$ 700 bilhões e as cifras podem aumentar caso o Brasil não consiga aplacar a pandemia.

"Os ruídos contra a estabilidade geram influência negativa, como atritos institucionais do Executivo com Judiciário, os sinais ao comércio exterior, o processo movido por Sergio Moro, a saída de Luiz Henrique Mandetta e outros passos em falso, como o programa Pró-Brasil sinalizam incertezas, inclusive de que a posição do ministro Paulo Guedes pode não ser tão sólida", diz Loyola.

Dólar - 13.05.2020 — Foto: Economia G1

Dólar - 13.05.2020 — Foto: Economia G1

Previsão de mais alta

Para o pesquisador da área de economia aplicada do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV/IBRE), Livio Ribeiro, “parece haver espaço para algum enfraquecimento adicional [do real frente ao dólar]” por conta do cenário doméstico.

“Questões domésticas brasileiras que vão além da pandemia fazem com que o país entre em um cenário de maior incerteza para os investidores”, apontou.

O economista destacou que com os juros baixos [a Selic opera em patamar mínimo histórico] o país não é atrativo para o capital especulativo e também oferece um cenário propenso a investimentos no longo prazo.

"Já tem algum tempo na economia brasileira temos tido crescimento anêmico, além de muita instabilidade institucional e uma incerteza muito grande para os investidores", explicou Ribeiro. "A única forma do país se tornar atrativo é se tornar mais barato, o que acontece com uma moeda mais fraca."

O professor Haroldo Monteiro, coordenador do MBA de Finanças da Universidade Veiga de Almeida, avalia a possibilidade de o dólar chegar a R$ 6,70, acima do que é apontado por bancos internacionais, que sugerem um teto de R$ 6,50.

“Não me surpreende se esse dólar subir mais uns 10%, 15%, chegando a uns R$ 6,70”, apontou.

Segundo o professor, além da baixa taxa de juros e da instabilidade política, o aumento da dívida pública é outro fator que tem afastado o investimento no país, refletindo no enfraquecimento do real frente ao dólar.

“A pandemia fez com que o governo abrisse a torneira dos gastos públicos para dar um suporte nessa economia, o que faz com que os agentes tenham medo de que no futuro, após o término desse suporte financeiros às empresas e às pessoas, isso afete muito a dívida pública, o que também faz com que os agentes [investidores externos] tirem dinheiro do país”, destacou o professor.

“Se a gente tivesse a queda de juros, mas estabilidade política, a gente não teria tanta desvalorização da nossa moeda”, acrescentou Monteiro.
G1

CNPJ: 81.104.341/0001-09 | Código Sindical: 913.000.000.03342-5
Rua Hildebrando de Araújo, 429 – Jd. Botânico | CEP 80.210-260 – Curitiba/PR
Fone/Fax: (41) 3362-7778 | Email: sesocepar@sesocepar.org.br