-->


Sistema Mediador
Solicitação de Registro de Instrumento Coletivo
Legislação
Leis, Atos, Decretos, Portarias, e Resoluções do MTE
Dúvidas Trabalhistas
Férias, Horas Extras, Salário, Outros...
FGTS: Movimentações via SMS
Folder e Formulário
ASSÉDIO SEXUAL
Cartilha
PISO SALARIAL
Piso Mínimo Regional do PR


Veja Mais Fotos


 Jornada de 40 HORAS
Imprimir PDF

Trabalhador dispensado durante tratamento de leucemia será reintegrado

Justiça do Trabalho

TRT-15 reduziu a indenização, contudo, de R$ 100 mil para R$ 15 mil.  

A 9ª câmara do TRT da 15ª região reconheceu como discriminatória a dispensa de um funcionário durante tratamento de leucemia e determinou sua reintegração ao trabalho. O empregado também terá o plano de saúde restabelecido e será indenizado por danos morais.

t

O reclamante alega que começou a trabalhar para a empresa em 2008 e dois anos depois foi diagnosticado com leucemia mieloide crônica, permanecendo afastado de 2011 a 2013. A dispensa do funcionário ocorreu em 2018, enquanto ainda perdurava o respectivo tratamento.

A reclamada se defendeu aduzindo que a decisão de dispensar o trabalhador estava ligada a baixa produtividade e desempenho insatisfatório de suas atividades. Entretanto, a empresa confessou que o funcionário jamais foi advertido, sequer verbalmente, pelas pretensas condutas irregulares que teriam causado a dispensa.

Ana Paula Alvarenga Martins, juíza relatora do processo, afirmou que não ficou comprovada a tese de reiterado descumprimento de obrigação por parte do trabalhador, motivo alegado para a rescisão contratual.

“A atitude da reclamada ofende aos princípios constitucionais da dignidade da pessoa humana e do valor social do trabalho, na medida em que o reclamante prestou serviços à empresa por mais de 10 anos e quando necessitara de amparo econômico para fazer frente às despesas para o tratamento se viu dispensado do trabalho, ordinariamente a sua única fonte de renda”.

A relatora consignou ainda que a empresa deverá se abster de demitir o autor sem justo motivo, o que não se confunde com a "justa causa". "A obrigação é salutar devendo ser ressaltado que a dispensa poderá ocorrer enquanto perdurar o tratamento, caso a reclamada apresente relevante motivo para tanto".

O colegiado decidiu que a empresa deve indenizar o funcionário por danos morais e o valor foi reduzido de R$ 100 mil para R$ 15 mil. Além disso, concedeu tutela de urgência e determinou a reintegração do reclamante ao trabalho na mesma função ou em função compatível, inclusive com o restabelecimento do plano de saúde.

O advogado Cizenando Calazans Fonseca Filho atuou em favor do funcionário.

Veja o acórdão.

 

 

 

Migalhas.com

 


CNPJ: 81.104.341/0001-09 | Código Sindical: 913.000.000.03342-5
Rua Hildebrando de Araújo, 429 – Jd. Botânico | CEP 80.210-260 – Curitiba/PR
Fone/Fax: (41) 3362-7778 | Email: sesocepar@sesocepar.org.br