-->


Sistema Mediador
Solicitação de Registro de Instrumento Coletivo
Legislação
Leis, Atos, Decretos, Portarias, e Resoluções do MTE
Dúvidas Trabalhistas
Férias, Horas Extras, Salário, Outros...
FGTS: Movimentações via SMS
Folder e Formulário
ASSÉDIO SEXUAL
Cartilha
PISO SALARIAL
Piso Mínimo Regional do PR


Veja Mais Fotos


 Jornada de 40 HORAS
Imprimir PDF

Gravação flagra Bolsonaro armando manobra contra líder do PSL

Jair Bolsonaro foi gravado enquanto pedia o apoio a deputados do seu partido, o PSL, para destituir o líder da sigla na Câmara, Delegado Waldir (GO). Os áudios foram divulgados na noite desta quarta-feira (16) nos sites das revistas Época e Crusoé. Nesta quinta (17), ao sair do Palácio da Alvorada, Bolsonaro, visivelmente irritado, confirmou ter conversado com parlamentares em particular, insinuou que a gravação poderia ser um “grampo” e classificou o ato de “desonestidade”.

 
Num dos áudios divulgados, cuja voz do interlocutor não aparece na gravação, o que sugere que o trecho foi previamente editado, o presidente diz: “Estamos com 26, falta uma assinatura para a gente tirar o líder e colocar o outro. A gente acerta. Entrando o outro agora, dezembro tem eleições para o futuro líder. A maneira como tá, que poder tem na mão atualmente o presidente, o líder aí? O poder de indicar pessoas, de arranjar cargos no partido, promessa para fundo eleitoral por ocasião das eleições. É isso que os caras têm. Mas você sabe que o humor desses caras de uma hora para outra muda [...] Numa boa, porque é uma medida legal. Eu nunca fui favorável à lista, não. Sou favorável a eleição direta, mas no momento você não tem outra alternativa, só tem a lista”.

Em outra conversa, Bolsonaro diz: “Aqui tem 25 [assinaturas], já falei com o [deputado General] Peternelli, vou ligar para outras pessoas. Até quem sabe que passe aí de uns números... Se fechar agora, já tem o suficiente”.

Na noite de quarta, numa disputa de listas de assinaturas apresentadas à Mesa Diretora da Câmara, Delegado Waldir foi deposto para a entrada de Eduardo Bolsonaro, filho do presidente. Logo depois, o próprio Eduardo também acabou deposto por deputados alinhados com o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar (PE), que conseguiram uma lista com um número maior de assinaturas para devolver a liderança ao parlamentar goiano.

A atitude de Bolsonaro contraria as afirmações públicas do presidente de que não interferiria no processo de disputa interna do PSL. Até então, ele vinha afirmando que seu único objetivo é ampliar a transparência na prestação de contas do partido. As gravações tendem a acentuar a crise que se abateu no PSL, palco de uma disputa entre um grupo ligado a Bolsonaro e outro associado a Luciano Bivar.

Na manhã desta quinta, ao sair do Palácio da Alvorada, Bolsonaro não escondeu a irritação. “Eu falei com alguns parlamentares. Me gravaram? Deram uma de jornalista?”, afirmou. “Eu não trato publicamente deste assunto. Converso individualmente. Se alguém entrou, grampeou o telefone, primeiro é uma desonestidade.”

O líder do partido é responsável por orientar as votações dos projetos em plenário e nas comissões, falar em nome da legenda durante as sessões, pedir votação nominal, apresentar requerimentos sobre os projetos em debate e propor emendas em nome do partido (os chamados destaques). Além disso, é ele quem indica os vice-líderes, que podem substituí-lo nesses momentos, e decide quais deputados participarão de quais comissões.

O racha no PSL ganhou contornos de crise na semana passada, após Bolsonaro ser filmado dizendo a um fã que Bivar, presidente da sigla, está “queimado”. Era uma referência ao escândalo conhecido como o “laranjal do PSL”, em que a cúpula do partido teria indicado candidatas laranja para preencher a cota feminina exigida por lei nas eleições do ano passado. Nesta semana, a Polícia Federal fez uma operação de busca e apreensão em endereços de Bivar. Alvo de acusações semelhantes, o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, que preside o diretório em Minas Gerais, vem sendo preservado por Jair Bolsonaro.

No controle do partido, Bivar ainda pode reagir e tirar o controle dos diretórios dos Estados de São Paulo e do Rio de Janeiro das mãos de Eduardo e de Flávio. Essa possibilidade vem sendo discutida pela ala que apoiou o presidente e está em guerra com o grupo bolsonarista.

 
 

Com informações do Valor Econômico

 


CNPJ: 81.104.341/0001-09 | Código Sindical: 913.000.000.03342-5
Rua Hildebrando de Araújo, 429 – Jd. Botânico | CEP 80.210-260 – Curitiba/PR
Fone/Fax: (41) 3362-7778 | Email: sesocepar@sesocepar.org.br