-->


Sistema Mediador
Solicitação de Registro de Instrumento Coletivo
Legislação
Leis, Atos, Decretos, Portarias, e Resoluções do MTE
Dúvidas Trabalhistas
Férias, Horas Extras, Salário, Outros...
FGTS: Movimentações via SMS
Folder e Formulário
ASSÉDIO SEXUAL
Cartilha
PISO SALARIAL
Piso Mínimo Regional do PR


Veja Mais Fotos


 Jornada de 40 HORAS
Imprimir PDF

Reconhecido vínculo de emprego de distribuidora de panfletos em Vitória

Para que haja vínculo de emprego, é preciso que a relação entre empregador e empregado vise à prestação continuada de um serviço, mediante o pagamento de salário. A característica essencial dessa relação é a subordinação jurídica, segundo a qual o empregado está sujeito às ordens do empregador, nos limites previstos no contrato e na lei.

Mesmo que o contrato não esteja registrado fisicamente e não haja assinatura na carteira, é possível o reconhecimento de vínculo.

Um exemplo foi o caso de uma distribuidora de panfletos, que trabalhava por diária, sem carteira assinada, e procurou a Justiça do Trabalho em busca de seus direitos.

Segundo a autora, ela prestou serviços de 4/12/18 a 22/2/19 a uma empresa, entregando panfletos de propaganda de exame toxicológico para renovação de CNH. Disse que trabalhava de segunda a sexta, só interrompendo o serviço no período das festas do fim do ano.

Segundo testemunha ouvida no processo, além de entregar panfletos, a profissional também preenchia fichas de cadastro dos interessados em fazer o exame.

O juízo da 6ª Vara do Trabalho de Vitória reconheceu que houve subordinação à empresa, prestações de serviços habituais e jornada pré-fixada, comprovando a subordinação jurídica.

Sem requisitos

A empresa recorreu da decisão, alegando que o serviço prestado era eventual, sem jornada estipulada, pessoalidade ou qualquer outro elemento que caracterizasse vínculo empregatício.

Ao julgar o recurso ordinário, a Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região (ES) manteve a decisão de primeira instância quanto ao reconhecimento do vínculo.

O relator do acórdão, desembargador Claudio Armando Couce de Menezes, citou, em seu relatório, o princípio da primazia da realidade, segundo o qual, em casos de discordância entre o que ocorre na prática e o que está registrado em documentos e acordos, deve-se dar preferência ao que ocorre no mundo dos fatos.

“A Justiça do Trabalho deve estar atenta à precarização das relações de trabalho (...). Esse caso é um triste retrato desse fenômeno, uma vez que autora trabalhava sem carteira assinada, como panfleteira, (...), recebendo só pelos dias efetivamente trabalhados uma irrisória contraprestação", ressaltou o relator.  

A empresa foi obrigada a assinar a carteira da profissional e pagar as verbas rescisórias.

A autora também pediu indenização por danos morais, alegando que trabalhava em pé, na calçada, exposta ao sol, sem água e acesso ao banheiro e com cobranças excessivas, caracterizadoras de terror psicológico. O pedido, negado na sentença, foi reconhecido pela Primeira Turma, que condenou a empresa à reparação pelos danos.

 

 

 

Fonte: TRT da 17ª Região (ES)

 


CNPJ: 81.104.341/0001-09 | Código Sindical: 913.000.000.03342-5
Rua Hildebrando de Araújo, 429 – Jd. Botânico | CEP 80.210-260 – Curitiba/PR
Fone/Fax: (41) 3362-7778 | Email: sesocepar@sesocepar.org.br