-->


Sistema Mediador
Solicitação de Registro de Instrumento Coletivo
Legislação
Leis, Atos, Decretos, Portarias, e Resoluções do MTE
Dúvidas Trabalhistas
Férias, Horas Extras, Salário, Outros...
FGTS: Movimentações via SMS
Folder e Formulário
ASSÉDIO SEXUAL
Cartilha
PISO SALARIAL
Piso Mínimo Regional do PR


Veja Mais Fotos


 Jornada de 40 HORAS
Imprimir PDF

O caminho sem volta do Bolsonarismo

A manifestação bolsonarista de 26 de maio foi marcada muito mais pela estridência do que pela expressividade.

 

 

Bolsonaro

 

Marco Campanella (*)


Bem que alguns setores da grande mídia tentaram dar uma ajudinha associando o movimento à defesa da “reforma” da Previdência e do pacote anticrime de Moro, mas a contundência dos fatos falou mais alto e essas “bandeiras” sumiram em meio às manifestações mais legítimas do bolsonarismo.

 

A caricatura delas foi denunciada por três imagens, cada qual com sua capacidade de reproduzir-se e multiplicar-se nesse lamaçal que se transformou o bolsonarismo: a retirada, sob palmas e apupos histéricos, de uma faixa em defesa da educação em Curitiba; manifestantes embalados com a bandeira norte-americana; e, outros, portando estandartes pela redenção da monarquia.

 

O bolsonarismo, aos poucos, com Guedes na Economia e outras figuras de estirpe assemelhada em outras posições do governo, vai se conformando numa espécie de ideologia tosca baseada no ultraliberalismo econômico, no obscurantismo político e no fundamentalismo religioso.

 

Essa é a “nova política” que estão propondo ao país, no lugar daquela representada pelo “Centrão”, Maia e Alcolumbre, dos quais se pretende os votos necessários para aprovar o malfadado desmonte previdenciário, ainda que tenham sido achincalhados nas ruas no último domingo, enquanto os aplausos destinavam-se a Guedes (que pretende entregar o Banco do Brasil ao Bank of America), a Moro (do qual subtraíram o COAF por ter desvelado alguns podres do bolsonarismo no Rio), ao próprio Bolsonaro, é claro, e ao seu guru ideológico, Olavo de Carvalho (se é que podemos identificar algum rastro de ideologia, ainda que a mais obscurantista, nessa figura caricata que renegou o Brasil e adotou os EUA como sua mãe-pátria).

 

Como diria nosso saudoso Cláudio Campos, com sua verve inconfundível, os representantes da “velha política” e os militares que se encontram no governo, em relação a Bolsonaro, são santos que devem ser canonizados e ganhar o caminho dos céus.

 

No DNA dessa “nova política” está algo do qual Bolsonaro e seu núcleo mais próximo não conseguirão se desvencilhar pela sua natureza: o ódio a toda e qualquer expressão, no terreno material e imaterial, do que é nacional, democrático e popular.

 

Daí a explicação para os mais extravagantes, excêntricos e, até, bizarros atos contra conquistas do povo brasileiro, muitas delas consolidadas ao longo da história no plano cultural, econômico, social e político. Os representantes da “velha política”, ainda que secundariamente, têm alguma identidade com essa história. A fúria desfechada contra os nacionalistas, democratas e, principalmente, os comunistas, explica-se pelo que o bolsonarismo representa de negação dos valores que construíram a nacionalidade e do papel que cada uma dessas correntes teve nessa construção.

 

Não por outra razão alguns integrantes da base de apoio a Bolsonaro tentaram impedir, sem sucesso, a manifestação dos “fanáticos” e “neuróticos” (sic), pois, ela acontecendo, como aconteceu, poderia dar um “tiro no pé” pelo seu poder de corrosão no Parlamento, de onde esperam extrair o desmonte da Previdência Pública para entregá-la aos bancos.

 

O fato é que a aprovação ao governo derrete como manteiga no fogo diante da crise econômica sem freio, agravada pelo desmantelamento generalizado de alguns instrumentos do Estado e marcos regulatórios, vitais e indispensáveis para o seu enfrentamento.

 

Trata-se de um caminho sem volta e não há nada que indique uma mudança de rota: o “mercado” mandou avisar que a “reforma” pretendida na Previdência não mexerá positivamente com a economia; o IBGE anunciará na próxima quinta-feira (30), quando a educação explodirá de novo nas ruas, o PIB negativo do primeiro trimestre de Bolsonaro e decretará a chamada recessão técnica; e os trabalhadores, no dia 14 de junho, deverão realizar uma contundente greve geral contra o assalto às aposentadorias.

 

Nesse cenário, uma inevitável certeza: o bolsonarismo, cada vez mais isolado, tornar-se-á ainda mais ruidoso e agressivo diante da inexorável desidratação de sua base social e, por tabela, de sua sustentação política e parlamentar; e uma crescente necessidade social: a construção da mais ampla frente patriótica, democrática e popular, indispensável para impedir que essa tragédia que se abateu sobre o país não adquira proporções ainda mais avassaladoras.

 

 

 



(*) Jornalista, é membro do Comitê Central do PCdoB.

 


CNPJ: 81.104.341/0001-09 | Código Sindical: 913.000.000.03342-5
Rua Hildebrando de Araújo, 429 – Jd. Botânico | CEP 80.210-260 – Curitiba/PR
Fone/Fax: (41) 3362-7778 | Email: sesocepar@sesocepar.org.br