-->


Sistema Mediador
Solicitação de Registro de Instrumento Coletivo
Legislação
Leis, Atos, Decretos, Portarias, e Resoluções do MTE
Dúvidas Trabalhistas
Férias, Horas Extras, Salário, Outros...
FGTS: Movimentações via SMS
Folder e Formulário
ASSÉDIO SEXUAL
Cartilha
PISO SALARIAL
Piso Mínimo Regional do PR


Veja Mais Fotos


 Jornada de 40 HORAS
Imprimir PDF

Acidente em grande obra pública causa danos morais coletivos, decide TST

DEVER DE FISCALIZAÇÃO

 

Acidente em grande obra contratada pelo poder público causa dano moral coletivo, já que afeta toda a classe trabalhadora. Esse foi o entendimento usado pela 3ª Turma Tribunal Superior do Trabalho para condenar a construtura Cafra e o estado de Pernambuco por negligência que resultou na queda de um muro num canteiro de obras e na morte de um trabalhador.

Estado contratante e empresa contratada são responsáveis por acidente em obra pública, define TST
123RF

De acordo com o TST, o dano causado com o desabamento do muro atingiu não só a honra individual dos trabalhadores, mas a coletividade. Por isso, a indenização de R$ 100 mil deverá ser revertida ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Para a maioria da 3ª Turma, a gravidade dos fatos e a conduta da empresa e do estado repercutem de forma negativa em toda a classe de trabalhadores, o que justifica o pagamento de indenização por dano moral coletivo.

Os ministros atenderam a recurso do Ministério Público do Trabalho, que recorreu de decisão do TRT-6. A corte regional havia entendido que, como o contrato não envolvia o muro que desabou, a empresa não poderia ser responsabilizada por negligência.

Mas, no entendimento do ministro Maurício Godinho Delgado, autor do voto vencedor, o contrato envolvia a reconstrução de uma fossa, o que impactou a estrutura do muro. A empresa, disse o ministro, foi negligente ao adotar procedimentos irregulares de escavação da fossa. E o estado de Pernambuco, como contratante e dono da obra, também é responsável.

Godinho lembrou que a jurisprudência do TST entende que o dono da obra é corresponsável pelo ambiente de trabalho e por fiscalizar o cumprimento da lei pelas empresas contratadas.

A decisão foi por maioria, vencido o relator, ministro Alberto Bresciani. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST. 

RR-209-15.2010.5.06.0005

 

 

 

 

Revista Consultor Jurídico

 


CNPJ: 81.104.341/0001-09 | Código Sindical: 913.000.000.03342-5
Rua Hildebrando de Araújo, 429 – Jd. Botânico | CEP 80.210-260 – Curitiba/PR
Fone/Fax: (41) 3362-7778 | Email: sesocepar@sesocepar.org.br