-->


Sistema Mediador
Solicitação de Registro de Instrumento Coletivo
Legislação
Leis, Atos, Decretos, Portarias, e Resoluções do MTE
Dúvidas Trabalhistas
Férias, Horas Extras, Salário, Outros...
FGTS: Movimentações via SMS
Folder e Formulário
ASSÉDIO SEXUAL
Cartilha
PISO SALARIAL
Piso Mínimo Regional do PR


Veja Mais Fotos


 Jornada de 40 HORAS
Imprimir PDF

Reforma da Previdência prejudica também trabalhadores já aposentados, diz Paim

 

Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa extraordinária.   Em discurso, à tribuna, senador Paulo Paim (PT-RS).  Foto: Roque de Sá/Agência Senado

Roque de Sá/Agência Senado

 

 

O senador Paulo Paim (PT-RS) ressaltou em pronunciamento, nesta quinta-feira (28), que a proposta de reforma da Previdência prejudica também os trabalhadores já aposentados. A proposição prevê mudança nas regras para que trabalhadores da iniciativa privada e servidores possam pedir aposentadoria, mas também há várias alterações para quem já está aposentado, explicou.

 

Paim disse que o texto proposto pelo governo não deixa explícito o que vai ser feito com os depósitos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e que a própria Secretaria de Previdência não conseguiu explicitar ainda como fica essa situação. Ele também destacou alguns pontos que poderão impactar a vida dos aposentados, como o fim da multa dos 40% do FGTS e o fim da correção dos benefícios pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

 

— O texto prevê que os empregadores continuarão recolhendo o FGTS, mas os aposentados que continuam trabalhando deixarão de receber a multa quando demitidos. E fica a dúvida ainda, se aqueles novos que entrarem serão aposentados. Hoje quem ganha até um salário mínimo, automaticamente, pela lei (e eu participei da elaboração da lei, inclusive) tem a correção do salário mínimo pela inflação, mais o PIB. Isso também não está claro, consequentemente não teremos mais assegurado.

 

Caxias do Sul

O senador leu um documento recebido sobre desapropriação de área em Caxias do Sul (RS), sua terra natal, na Serra Gaúcha. Ele explicou que a prefeitura da cidade fez um loteamento para setores mais vulneráveis, e agora uma decisão judicial determina que a prefeitura indenize de novo aquilo que, em tese, estaria acertado. O processo é movido pela família Magnabosco contra o município de Caxias do Sul.

 

— Quero que haja uma saída negociável, mas que Caxias do Sul não tenha que pagar R$ 600 milhões devido a esse fato.

 

 

 

 

Agência Senado

 


CNPJ: 81.104.341/0001-09 | Código Sindical: 913.000.000.03342-5
Rua Hildebrando de Araújo, 429 – Jd. Botânico | CEP 80.210-260 – Curitiba/PR
Fone/Fax: (41) 3362-7778 | Email: sesocepar@sesocepar.org.br