-->


Sistema Mediador
Solicitação de Registro de Instrumento Coletivo
Legislação
Leis, Atos, Decretos, Portarias, e Resoluções do MTE
Dúvidas Trabalhistas
Férias, Horas Extras, Salário, Outros...
FGTS: Movimentações via SMS
Folder e Formulário
ASSÉDIO SEXUAL
Cartilha
PISO SALARIAL
Piso Mínimo Regional do PR


Veja Mais Fotos


 Jornada de 40 HORAS
Imprimir PDF

Imposto sindical obrigatório pode voltar no ‘toma lá dá cá’ das alianças eleitorais

Partidos do Centrão exigem a criação de um novo modelo de financiamento dos sindicatos para declarar apoio à candidatura presidencial do tucano Geraldo Alckmin

 

Um dos pontos mais polêmicos da reforma trabalhista, aprovada em novembro de 2017 no Congresso, o imposto sindical pode voltar por meio do ‘toma lá da cá’ das costuras eleitorais. A criação de um novo modelo de financiamento dos sindicatos é uma das exigências colocadas sobre a mesa pelo Centrão para o bloco embarcar na pré-candidatura de Geraldo Alckmin à Presidência da República.

 

O principal fiador dessa condição é o deputado federal Paulinho (SD-SP), ligado à Força Sindical. O partido dele, o Solidariedade, integra o Centrão ao lado de DEM, PR, PP e PRB. Na quinta-feira (19), líderes do bloco se apressaram em informar que o PSDB, que teve papel importante na aprovação da reforma, teria aceitado rever a questão do imposto sindical. Mas não é bem assim.

 

Nesta sexta-feira (20) , Alckmin se pronunciou em sua conta no Twitter escrevendo que não vai revogar “nenhum dos pontos da reforma trabalhista” e que não havia “plano de trazer de volta a contribuição sindical, ao contrário do que está circulando nas redes”.

 

Na prática é difícil mesmo acreditar o PSDB vá deixar de lado uma bandeira amplamente defendida pelo partido durante a tramitação da reforma em troca de mais tempo de TV. O relator da reforma trabalhista na Câmara dos Deputados foi justamente um tucano, o deputado federal Rogério Martinho (PSDB-RN). No Senado, quem relatou a reforma na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) foi outro tucano, o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES).

 

Em abril deste ano, ao falar com uma plateia de sindicalistas na União Geral dos Trabalhadores (UGT), Alckmin se colocou contra o imposto sindical e chegou até a ser vaiado. “Sou contra o imposto sindical. Temos que falar a verdade”, disse o tucano à plateia.
 

O tuíte do tucano deixou contrariado Paulinho da Força, que já sofre pressão de sindicalistas. O líder do SD rapidamente reabriu negociações com Ciro Gomes, que lançou nesta sexta sua candidatura ao Planalto de forma oficial. O pedetista é favorável à revogação da reforma trabalhista, o que agrada às centrais sindicais.

 

Durante a convenção, Paulinho telefonou para o presidente do PDT, Carlos Lupi, e disse que o Solidariedade não havia decidido sobre o apoio a Alckmin. Segundo ele, se Ciro conseguir atrair as siglas de esquerda, seu partido pode abandonar o Centrão em nome de uma aliança que ressuscite o imposto sindical.

 

Arrecadação despencou

Antes da entrada em vigor da nova lei trabalhista, todos os anos era descontado do salário do trabalhador, geralmente no mês de março, o equivalente a um dia de serviço para financiar a atividade sindical. Desde novembro de 2017, no entanto, o desconto ficou condicionado à anuência do empregado.

 

Segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os sindicatosviram sua arrecadação despencar 88% nos quatro primeiros meses de 2018, depois da aprovação da reforma. Apenas em abril, o volume total arrecadado pelas associações que representam trabalhadores foi de R$ 102,5 milhões – uma queda de 90% em relação ao mesmo mês de 2017. Ao longo de 2016, a arrecadação foi de R$ 3,6 bilhões com a contribuição sindical.

 

Na mira da PF

O deputado Paulinho da Força (SD-SP) é alvo de uma investigação da Polícia Federal sobre fraudes na concessão de registros sindicais no Ministério do Trabalho, junto com os deputados Jovair Arantes (PTB-GO), Cristiane Brasil (PTB-RJ) e Wilson Filho (PTB-PB).

 

Em maio, a PF chegou a realizar buscas nos gabinetes dos parlamentares na Câmara dos Deputados. Segundo a Procuradoria-Geral da República, se pagava até R$ 4 milhões pela liberação de registros sindicais. Os deputados investigados negam as acusações.

 

 

 

 

Fonte: Gazeta do Povo, 23 de julho de 2018.

 


CNPJ: 81.104.341/0001-09 | Código Sindical: 913.000.000.03342-5
Rua Hildebrando de Araújo, 429 – Jd. Botânico | CEP 80.210-260 – Curitiba/PR
Fone/Fax: (41) 3362-7778 | Email: sesocepar@sesocepar.org.br