-->


Sistema Mediador
Solicitação de Registro de Instrumento Coletivo
Legislação
Leis, Atos, Decretos, Portarias, e Resoluções do MTE
Dúvidas Trabalhistas
Férias, Horas Extras, Salário, Outros...
FGTS: Movimentações via SMS
Folder e Formulário
ASSÉDIO SEXUAL
Cartilha
PISO SALARIAL
Piso Mínimo Regional do PR


Veja Mais Fotos


 Jornada de 40 HORAS
Imprimir PDF

Candidato que não defende trabalhadores não deve ter apoio

Em entrevista ao Portal Vermelho, o secretário-geral da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Canindé Pegado, afirmou que a agenda com 22 propostas elaborada pelas sete centrais sindicais brasileiras é um marco na história do sindicalismo brasileiro aqui . São propostas a curto, médio e longo prazo para combater o desemprego e apontar um caminho para a retomada do desenvolvimento. “Candidato que não apoia a agenda não pode ter o apoio do trabalhador”, completou o dirigente.

 

Por Railídia Carvalho

reprodução
 
Canindé Pegado: Executivo, legislativo, judiciário, mídia e empresários se reuniram contra a organização dos trabalhadoresCanindé Pegado: Executivo, legislativo, judiciário, mídia e empresários
se reuniram contra a organização dos trabalhadores
 
 

A UGT iniciou um trabalho de massificação dos 22 pontos nos mais de 1300 sindicatos que são filiados à central em todo o país aqui . De acordo com Pegado, popularizar a agenda é fundamental neste momento. “Para dialogar com os trabalhadores, com empresários, com políticos, com candidatos à presidência da República, com o Congresso Nacional. É preciso fazer saber que os trabalhadores tem propostas e vamos lutar por elas”.

 

Pegado disse que nunca viu durante a história dele de 30 anos no sindicalismo uma conjuntura de ataque aos direitos dos trabalhadores e dos sindicatos como a atual, resultante do golpe que levou o governo Michel Temer à presidência da República. 

 

“Desde 2016 houve muita unidade entre os poderes e forças contrárias à organização dos trabalhadores que em um período muito curto fez com que os trabalhadores experimentassem um dos piores ataques da sua história. Um ataque elaborado e com a atuação do Executivo, Legislativo e Judiciário aliados à imprensa e aos empresários”, analisou o dirigente.

 

Centrais Sindicais unificadas

Na opinião de Pegado, a unidade das centrais “é mais que fundamental neste momento”. Ele contou que o empresariado que apoiou a reforma trabalhista e a terceirização não vai parar enquanto o movimento sindical não for destruído. “Ao contrário deles, a nossa Agenda é democrática, queremos dialogar buscando saídas para a crise que penalizou o trabalhador brasileiro. Por isso o dia 10 de agosto é um ato importante, com todas as centrais, para ser a referência para mobilizações que tenham impacto para reverter o atual cenário”.

 

O Dia do Basta em 10 de agosto foi convocado por todas as centrais sindicais brasileiras com as bandeiras do combate ao desemprego, contra o aumento abusivo do gás de cozinha e em defesa da Previdência Social, que volta a ser alvo do governo de Michel Temer. Estão sendo construídas paralisações em todos os estados e um ato nacional na avenida Paulista em frente à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), às 10h.

 

“Queremos o bem-estar para a população. Por isso elaboramos esse documento. Basta ter vontade política para implementar o que está na Agenda. Por isso é preciso massificar entre os candidatos à presidência ou qualquer outro candidato com condições de se eleger e incorporar essa agenda voltada para a retomada do emprego no país e do crescimento econômico. O candidato não precisa ir além está tudo apontado no documento”, enfatizou o sindicalista.

 

 

 

 

Do Portal Vermelho, 20 de julho de 2018.

 


CNPJ: 81.104.341/0001-09 | Código Sindical: 913.000.000.03342-5
Rua Hildebrando de Araújo, 429 – Jd. Botânico | CEP 80.210-260 – Curitiba/PR
Fone/Fax: (41) 3362-7778 | Email: sesocepar@sesocepar.org.br