-->


Sistema Mediador
Solicitação de Registro de Instrumento Coletivo
Legislação
Leis, Atos, Decretos, Portarias, e Resoluções do MTE
Dúvidas Trabalhistas
Férias, Horas Extras, Salário, Outros...
FGTS: Movimentações via SMS
Folder e Formulário
ASSÉDIO SEXUAL
Cartilha
PISO SALARIAL
Piso Mínimo Regional do PR


Veja Mais Fotos


 Jornada de 40 HORAS
Imprimir PDF

Imprensa internacional denuncia "Golpe judicial no Brasil"

Capa do jornal Página/12 que ocupa as bancas da Argentina nesta quinta-feira (5)Capa do jornal Página/12 que ocupa as bancas da Argentina nesta quinta-feira (5)

                           

 

A decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), de negar na madrugada desta quinta-feira (4) o habeas corpus preventivo ao ex-presidente Lula foi o principal destaque dos maiores veículos da América Latina e do mundo.

 

Para o argentino Pagina/12, a decisão desta quarta foi um “golpe judicial”. “A juíza [Rosa] Weber, cujo voto era uma incógnita, se pronunciou contra o ex-presidente em uma sessão por momento tensa dentro e fora de um recinto que não foi alheio à pressão, evidentemente exitosa, exercida pelo Exército”, afirma o texto, citando as declarações do comandante-geral do Exército, Eduardo Villas Bôas.
 
“Se o ataque armado contra a caravana de Lula, na semana passada, no Paraná, havia indicado um ponto de inflexão no uso da violência política próximo às eleições de outubro, a investida dos militares marcou uma nova etapa do golpe que derrocou Dilma Rousseff há dois nãos. O golpe mutante, que nasceu como um artefato midiático-judicial, agora conta com a sustentação do partido militar. Já se pode falar de uma constelação de forças cívico-militares”, afirma o jornal.
 
O mexicano La Jornada fala que “se fechou o cerco” no Brasil para prender Lula. “Instalado na presidência um grupo encabeçado por Michel Temer, faltava o passo final: liquidar Lula e impedi-lo de retornar à presidência. Condenado por um juízo em que não houve uma só prova, um processo marcado por abusos, arbitrariedades e irregularidades – tudo isso frente ao silêncio cúmplice das instâncias máximas da Justiça brasileira – faltava esse passo.”
 
“Sem Lula, a possiblidade de que um troglodita de extrema-direita, o capitão da reserva e deputado Jair Bolsonaro, saia vencedor nas urnas, é concreta, como é concreta a possibilidade de que entre votos branco, nulos e abstenções se conte um número superior ao alcançado pelos candidatos.”
 
Já a emissora multiestatal Telesur lembrou que o ex-presidente denunciou que sofria perseguição judicial do juiz de primeira instância Sergio Moro, com fim de evitar sua candidatura presidencial.
 
“Enquanto o STF votava o habeas corpus, movimentos sociais e sindicatos se mobilizaram por todo o Brasil em defesa do ex-presidente e de seu direito a ser candidato nas eleições presidenciais de outubro, nas quais figura como favorito, segundo as pesquisas”, afirma a emissora com sede em Caracas.
 
Para o jornal britânico The Guardian, a decisão desta quarta provavelmente põe fim à carreira política do ex-presidente.
 
“Sob a lei brasileira, um candidato é proibido de concorrer a um cargo eleitoral por oito anos após ser considerado culpado de um crime. Algumas exceções foram feitas no passado, e a decisão final no caso de Lula seria feita pelo tribunal máximo eleitoral [o TSE], se ele oficialmente entrar com o registro para ser candidato nas eleições de outubro”, afirma o jornal.
 
Em outra reportagem, o periódico com sede em Londres afira que “muitos brasileiros lembram da era de Luiz Inácio Lula da Silva com carinho nostálgico e, por razões fortes e práticas, alguns argumentam que as mudanças que ele realizou no Brasil não foram suficientes para promover crescimento continuado”.
 
Para a emissora BBC, as batalhas legais de Lula “dividiram os brasileiros e esta decisão [do STF] não foi diferente”. “Seus críticos lançaram fogos de artifício em comemoração. Os apoiadores de Lula voltaram irritados para casa com o que chamam de afronta à democracia e um golpe.”
 
Já o francês Le Monde lembra que voltagem política subiu quando o general Villas Bôas decidiu se manifestar e falar sobre “impunidade”. “Nunca uma decisão dividiu tanto o Brasil, colocando em campos opostos aqueles que continuam a venerar o ex-chefe de Estado como um semideus e os que o consideram o pior vilão da humanidade”, disse.
 
Por sua vez, o jornal norte-americano The New York Times disse que a decisão “explosiva” do STF vira de ponta-cabeça “a política nacional e aparentemente anula sua tentativa de voltar ao poder”.
 
“Na [madrugada de] quinta, a corte deu sua resposta: decidiu manter o status quo, que afirma que condenados podem ser presos após uma decisão de segunda instância. Com a decisão na mão, a expectativa é que Moro emita um pedido de prisão para o ex-presidente em alguns dias”, conta o jornal.
 
O periódico argentino El Clarín cita o atual cenário político brasileiro e lembra o país "está a 7 meses de uma eleição que naufraga na incerteza". O jornal também relata no que se basearam os votos de cada ministro e aponta para as delarações do general Villas Bôas que insinuou nesta quarta-feira (04/04) a "possibilidade de um eventual golpe militar", escreve o jornal.
 
 
 
 
                   
 

CNPJ: 81.104.341/0001-09 | Código Sindical: 913.000.000.03342-5
Rua Hildebrando de Araújo, 429 – Jd. Botânico | CEP 80.210-260 – Curitiba/PR
Fone/Fax: (41) 3362-7778 | Email: sesocepar@sesocepar.org.br