-->


Sistema Mediador
Solicitação de Registro de Instrumento Coletivo
Legislação
Leis, Atos, Decretos, Portarias, e Resoluções do MTE
Dúvidas Trabalhistas
Férias, Horas Extras, Salário, Outros...
FGTS: Movimentações via SMS
Folder e Formulário
ASSÉDIO SEXUAL
Cartilha
PISO SALARIAL
Piso Mínimo Regional do PR


Veja Mais Fotos


 Jornada de 40 HORAS
Imprimir PDF

Jornada de trabalho: a luta por mais tempo livre

  

 

A aplicação da ciência à produção material (a tecnologia) permite enorme economia de trabalho. Este é um fato social, que reflete o progresso do conhecimento. Mas, no capitalismo, quem se beneficia desta economia de trabalho é o capital, não o trabalhador. Daí a luta pela jornada semanal menor.

 

Por Miya Tokumitsu*

                          

A demanda por uma jornada de trabalho menor, com menos horas semanais, é uma luta sobre a libertação dos trabalhadores - tanto individual como coletiva.

 

No mês de setembro, o maior sindicato da Alemanha, o IG Metall, lançou uma campanha que tem profundas raízes históricas. Aquele sindicato, que representa 2,3 milhões de operários - está usando as negociações salariais para exigir uma redução no número de horas semanais de trabalho, passando de 35 horas para 26, sob o argumento de que permitiria aos trabalhadores, entre outras coisas, cuidar dos filhos e de familiares idosos.

 

Com essa iniciativa, o IG Metall voltou a um dos problemas mais sagrados e tradicionalmente bem-sucedidos do movimento sindical: garantir tempo livre para os trabalhadores.

 

O tempo livre, como argumenta o IG Metall, é essencial para a dignidade básica; para cuidar de nós mesmos e de nossas famílias e comunidades, precisamos de tempo. Não só para gerar lucro para os patrões. Isso é importante, mas também precisamos de tempo livre para realizar nosso potencial humano. Nossa capacidade de pensar de forma independente, nutrir amizades e perseguir nossas próprias curiosidades e paixões, exige tempo que é nosso, tempo que não pertence ao patrão nem ao mercado.

 

No centro, a campanha por menos horas de trabalho é sobre a libertação, tanto individual como coletivamente.

 

Surpreendentemente, isso há muito deixou de ser um problema nas plataformas políticas nos EUA, mesmo para a esquerda. 

 

Nem sempre foi assim. A duração dos dias úteis, argumentam historiadores do trabalho, tem sido historicamente uma questão central levantada pelo movimento dos trabalhadores nos EUA, durante seus períodos de organização mais dinâmicos.

 

Os radicais martirizados da Haymarket (os heróicos “Oito de Chicago”, cujo martírio deu origem à comemoração do 1º de Maio como Dia Internacional do Trabalhador – nota do tradutor) estavam lutando pela jornada de oito horas diárias ("oito horas para o trabalho, oito horas para descansar, oito horas para o que queremos", o slogan foi naqueles anos).

 

Durante a Grande Depressão, nos anos 1930, em meio a conflitos trabalhistas significativos, uma tentativa foi feita a nível federal para reduzir a semana de trabalho para trinta horas. Durante décadas, o trabalhador americano viu na luta por tempo livre a demanda que poderia unir tanto operários qualificados quanto os menos qualificados, empregados e desempregados.

 

Hoje, devemos reclamar esse patrimônio de tempo livre. Reduzir as horas de trabalho para melhorar o nível de vida deveria ser um dos problemas centrais e orientadores da esquerda.


As razões pelas quais o tempo livre saiu da pauta dos trabalhadores são infinitas e complexas. O historiador Benjamin Kline Hunnicutt observa que nos Estados Unidos, a cultura de consumo do pós-guerra, a expulsão de radicais dos sindicatos e o papel da mão-de-obra no crescimento econômico como motor da prosperidade, tudo se opôs à política de enfatizar a luta por mais tempo livre.

 

A ascensão do neoliberalismo piorou o quadro. Gerações de trabalhadores foram obrigadas as acreditar que as expressões básicas da humanidade podem ser compradas, e que trabalhar cada vez mais é a porta para uma vida melhor. Mantenha a moagem através do suporte do torneio de emprego, e você pode pagar (individualmente) para cuidar de crianças, negociar o tempo de férias, depois se aposentar prematuramente, com dinheiro em investimentos para deixar algo para seus herdeiros. Muitos sindicatos abraçaram essa atitude; vários ainda defendem o aumento das horas em vez de fazer com que os patrões paguem melhor os trabalhadores pelas horas trabalhadas.

 

Hoje, no entanto, com os salários e os empregos precários, muitas pessoas, particularmente aquelas que começam suas vidas de trabalho, já não atuam sob a ilusão de que colocar mais tempo de trabalho seria a chave para a dignidade e a felicidade. Como pode ser, quando as aposentadorias decentes são coisa do passado? Quando o limite da jornada de trabalho não requer uma negociação constante? Quando a compulsão para trabalhar mais está sempre em nossas mentes - seja para cobrir uma despesa extra no hospital, seja para pagar exames de psicoterapia?

 

Nesse contexto, muitas áreas da esquerda estão zumbindo com discussões sobre tempo e temporalidade; "Capitalismo tardio", "pós-trabalho" futuros e "aceleração" tornaram-se frases familiares. Esses discursos são valiosos. Mas porque os objetivos reais nessas discussões geralmente permanecem no âmbito abstrato ou distante, no futuro; essa retórica, por si só, não fornece ferramentas adequadas para a construção de movimentos. Além disso, essas idéias tendem a circular na universidade ou em outros pequenos círculos, que geralmente ignoram a maioria das pessoas que trabalham, por mais atraentes que sejam as idéias. 

 

Devemos estar lutando por coisas como jornadas de trabalho menores, aumento acentuado no valor das horas extras, idade menor para a aposentadoria, por segurança social aumentada, férias, licenças médicas, subsídios para crianças. São demandas que se destinam diretamente a reduzir o horário de trabalho exigido pelos lucros, e a melhorar a autodeterminação dos trabalhadores e suas condições materiais de vida. São objetivos tangíveis e realizáveis, que podem ser construídos. E têm a capacidade de reunir uma variedade de trabalhadores e não-trabalhadores. Podemos alcançar o pleno emprego, por exemplo, diminuindo o horário de trabalho e dividindo a carga entre maior número de trabalhadores. Podemos unir o profissional de saúde e o aposentado, ampliando a seguridade social.

 

Do lado mais teórico, há uma grande batalha retórica a que trata de noções de trabalho como fonte de significado. E isso significa pensar mais profundamente sobre o tempo livre e como gastaremos nossas vidas em uma sociedade com muito menos horas no trabalho.

 

Sob o capitalismo global, o tempo livre é muitas vezes punitivo. Muitas pessoas já dispõem de grande quantidade de tempo livre, desde camponeses, refugiados até os desempregados. Nas condições do capitalismo, a difusão do uso de drogas deixa claro que, sem recursos adequados e redes sociais que acolham a todos, o tempo livre pode ser o oposto de libertador. Mas o dinheiro, por conta própria, não é a resposta. Basta olhar para o vídeo "Good Life" (Boa Vida), de Kim Dotcom ou o "Diário de Dinheiro" de alguém com um salário de US $ 1.250.000 em Los Angeles, para constatar a vacilação desalentadora das extensões de tempo preenchidas com o consumo de mercadorias. Enquanto isso, o capitalismo tem sido bastante imprudente em permear o pouco tempo livre que temos com os mesmos desejos de produzir e medir que associamos ao local de trabalho.

 

Claramente, então, continua sendo essencial articular uma visão positiva do que poderia ser o tempo livre, e como poderia ser usado de maneira libertadora.

 

Os movimentos chegam a ponto morto se não tiveram uma visão convincente de um futuro melhor. Construir essa visão é onde a teoria e a prática se unem.

 

Nisto, podemos nos inspirar do exterior.

 

Não é coincidência que IG Metall se sinta encorajado a pressionar por uma jornada semanal menor - foi o próprio sindicato que garantiu a semana de trinta e cinco horas.

 

Mas seria um erro assumir que a sua batalha é particularmente europeia. Uma e outra vez, o movimento de trabalhadores nos EUA adotou a luta para reduzir a semana de trabalho e expandir a liberdade dos trabalhadores. Reconheceu a potência de uma demanda que não só imagina um mundo onde as pessoas tenham mais controle sobre suas vidas, mas que constrói laços de solidariedade, unindo os interesses de trabalhadores e desempregados, altamente qualificados e menos qualificados, nascidos no estrangeiro e nativos. 

 

O momento está novamente maduro para se mobilizar e reivindicar para nós mesmos o máximo possível do nosso tempo de vida.

                         

 * Miya Tokumitsu é editor contribuinte da publicação Jacobin, autor de Do que você ama e outras mentiras sobre sucesso e felicidade. 

                         

 

 

 

 

 

Fonte: Vermelho, 29 de novembro de 2017

 


CNPJ: 81.104.341/0001-09 | Código Sindical: 913.000.000.03342-5
Rua Hildebrando de Araújo, 429 – Jd. Botânico | CEP 80.210-260 – Curitiba/PR
Fone/Fax: (41) 3362-7778 | Email: sesocepar@sesocepar.org.br