-->


Sistema Mediador
Solicitação de Registro de Instrumento Coletivo
Legislação
Leis, Atos, Decretos, Portarias, e Resoluções do MTE
Dúvidas Trabalhistas
Férias, Horas Extras, Salário, Outros...
FGTS: Movimentações via SMS
Folder e Formulário
ASSÉDIO SEXUAL
Cartilha
PISO SALARIAL
Piso Mínimo Regional do PR


Veja Mais Fotos


 Jornada de 40 HORAS
Imprimir PDF

Site divulga dez vídeos que desmascaram a reforma da Previdência

 

                            

 

A Associação Nacional dos Auditores Fiscais (Anfip), o Departamento Intersindical de Estudos Socioeconômicos (Dieese) e a Plataforma Política Social produziram dez vídeos que esclarecem e desmentem os argumentos do governo sobre o déficit da Previdência Social.

 

O projeto teve a consultoria do economista Eduardo Fagnani, professor da Unicamp, e narração do ator Herson Capri, que não cobrou nenhum cachê para participar da campanha. Clique aqui e acesse os vídeos ou assista abaixo:

 

Você acha que a reforma da previdência, da forma que vem sendo proposta pelo governo golpista de Michel Temer, é justa com os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil? Temos aqui 10 vídeos para você assistir – e compartilhar com seus amigos – que vão te ajudar a entender por que consideramos essa reforma um desmonte e um golpe contra todos os brasileiros.

 

Esta é uma série de vídeos organizados pela Associação Nacional dos Auditores Fiscais (Anfip), pelo Departamento Intersindical de Estudos Socioeconômicos (Dieese) e pela Plataforma Política Social. O projeto teve a consultoria do economista Eduardo Fagnani, professor da Unicamp e narração do ator Herson Capri, que não cobrou nenhum cachê para participar da campanha.

 

Todos os esforços reunidos nesta série são para produzir e divulgar informações de extrema importância sobre a reforma da previdência proposta por Michel Temer e seu governo, que insiste em apontar a previdência social como a principal responsável pelo grande déficit nas contas públicas e que a solução para sanar o problema seria o trabalhador abrir mão do seu direito à aposentadoria digna.

 

Foram reunidas informações de diversos setores para derrubar todos os argumentos mentirosos do governo e da equipe econômica para justificar o desmonte da previdência

 

1. Série de vídeos explica a reforma da previdência e refaz as contas mentirosas do governo para o trabalhador

O primeiro vídeo da série destaca que 79% dos aposentados por idade contribuíram menos de 25 anos, dado do próprio governo. Na prática, isso significa que oito em cada dez brasileiros devem ser atingidos pela mudança proposta pela equipe de Michel Temer. “Enfim, essa reforma da Previdência propõe que você trabalhe, contribua… e morra sem se aposentar.

 

< PARTE 01 >

                           

2. Não dá pra comparar a história da previdência social no Brasil com países da Europa

Quando se compara a previdência no Brasil e na Europa, diversos fatores como expectativa de vida, formação, os 350 anos de escravidão, as desigualdades de distribuição de renda e acesso à saúde e educação, além do tempo médio de cada cidadão em empregos formais derrubam a tese de que é necessário criar regras praticamente impossíveis para a aposentadoria.

 

< PARTE 02 >

                                    

3. Se somos um país tão diferente, será correto termos uma reforma da previdência que iguale todos?

O terceiro episódio traz alguns dados sobre as desigualdades dos séculos XIX e XX, que continuam a estabelecer um abismo social e de desenvolvimento entre os brasileiros e as diferenças regionais que marcam a história do nosso país continental, como por exemplo as diferenças gritantes nas taxas de expectativa de vida em cada estado – em 60% dos estados, a expectativa de vida é inferior à média nacional, que é de 75 anos -, entre outros dados alarmantes que influenciam diretamente nos cálculos de aposentadoria feitos pela previdência.

 

< PARTE 03 >

                            

4. Os jovens terão de deixar de estudar e trabalhar em funções menores, a vida inteira, para conseguir se aposentar

A reforma da previdência proposta pelo governo golpista obriga que jovens entrem no mercado de trabalho cada vez mais cedo e contribuam sem interrupções para terem direito a aposentadoria integral. O projeto original previa o trabalho comprovado e contribuições pagas por 49 anos consecutivos para concessão da aposentadoria integral.

 

< PARTE 04 >

                                          

5. Não há déficit na previdência

Estudos da Anfip apontam que os gastos da Seguridade Social são menores que o valor arrecadado pelo conjunto de contribuições, mesmo com o redirecionamento de verbas feito por meio da DRU. Portanto, o sistema do qual a Previdência faz parte é superavitário. Se há verba, onde está o déficit da previdência?

 

< PARTE 05 >

                                 

6. Os especialistas do governo justificam a reforma da previdência usando terrorismo econômico

Um estudo coletivo da Anfip, Dieese e Plataforma Política Social reuniu um grupo de profissionais de diversas áreas — economistas, matemáticos e cientistas da computação —, analisou todas as previsões do governo e encontrou muitas, mas muitas inconsistências. Segundo o texto, as projeções do governo realizadas entre 2002 e 2015 apresentam erros enormes.

 

< PARTE 06 >

                        

7. Existem alternativas para a reforma da previdência

O governo diz que não há alternativas, mas esse argumento também é falso. Muitos países já passaram por questões envolvendo o envelhecimento da população e encontraram saídas que não condenaram nenhum trabalhador à morte.

 

Em 2050, teremos 50 milhões de idosos em todo o país. Hoje, quase 50 milhões de brasileiros não contribuem para a previdência social por estarem no mercado informal ou em empregos precários. Só as contribuições destes trabalhadores, se fossem contratados conforme a lei e recebessem seus direitos trabalhistas corretamente, seria suficiente para garantir que os idosos de 2050 recebessem suas aposentadorias dignamente.

 

< PARTE 07 >

                         

8. A reforma da previdência é mesmo a melhor saída?

Existem alternativas de reformas que reorganizem o setor financeiro do Brasil sem condenar os trabalhadores à morte e que não obrigue a população a pagar uma conta que não é dela, mas sim dos grandes devedores da previdência, por exemplo.

 

< PARTE 08 >

                        

9. É possível encontrar outras formas de financiar a previdência e toda a seguridade social

A recessão tem grande peso na situação econômica do país. O crescimento econômico é fundamental para garantir que as finanças sejam positivas e para manter o caixa da previdência positivo, já que em países com geração de empregos dignos e renda há maior arrecadação.

 

Sem crescimento, não só a previdência quebra, mas também empresas, por falta de consumidores com renda para fazer a economia girar. Uma economia crescente tem potencial para receber trabalhadores obedecendo as normas, que passariam a contribuir com a previdência.

 

< PARTE 09 >

                           

10. A reforma da previdência é um golpe

Os mais vulneráveis da sociedade estão em perigo. O governo golpista compra apoio e defende os interesses do mercado, que busca enriquecer destruindo a seguridade social, os direitos trabalhistas e vai aumentar a carga tributária, que já é enorme no Brasil. A reforma da previdência poderá destruir um dos principais mecanismos de proteção social existentes neste país gigante e desigual.

 

< PARTE 10 >

                                    

Acreditamos na necessidade de reformulação, desde que seja feita sem que o povo pague a conta dos mais ricos e o trabalhador morra sem se aposentar. Existem formas de transformar o país sem que o povo assuma a responsabilidade que é dos grandes desses país, que sonegam, roubam e alimentam um sistema corrupto.

 

Leia, compartilhe e faça parte dessa luta contra o desmonte da aposentadoria.

 

Não à reforma da previdência!

                              

 

 

 

Fonte: Previdência Brasil, 1º de agosto de 2017

 


CNPJ: 81.104.341/0001-09 | Código Sindical: 913.000.000.03342-5
Rua Hildebrando de Araújo, 429 – Jd. Botânico | CEP 80.210-260 – Curitiba/PR
Fone/Fax: (41) 3362-7778 | Email: sesocepar@sesocepar.org.br